Ênfase perdida – parte III

Ênfase perdida – parte II

“Então mandou chamar e fê-lo entrar. Era ele ruivo, de belos olhos e boa aparência. Disse o Senhor: Levanta-te e unge-o, pois este é ele …” ,I Sm. 16: 12 -13.

“… mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra”, At.1:8.

“E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito” , EI 5:18.

Outro aspecto importante dessa experiência do batismo no Espírito Santo é a unção para o homem interior. Paulo compara a experiência e o enchimento do Espírito com vinho. Isto se deve ao fato de que no Velho Testamento vinho era um elemento que simbolizava força interior e alegria. Era o símbolo de vida e de força, e esta figura ainda chega até nós no Novo Testamento.

Receber o batismo no Espírito Santo fala de receber esta força e graça no interior que nos leva a um novo plano na vida cristã. Esse aspecto do batismo cumpre o que está implícito em Efésios, e produz o mesmo efeito da chamada “segunda experiência” ou “experiência de santidade”.

Se estes dois aspectos e efeitos desta experiência estivessem operando nas vidas dos cristãos que professam tê-lo recebido, certamente teríamos uma Igreja com maior impacto no mundo. Mas as experiências de hoje têm sido apenas experimentadas e recebidas como algo momentâneo, e voltadas mais para o fator emocional, porém não podemos deixar de enfatizar que qualquer experiência na vida cristã deve ter como objetivo trazer estes dois aspectos para as nossas vidas: a unção externa que é o poder, o serviço, e a unção interna que é a força para a transformação do homem interior.

Identificando-nos com a segunda experiência, voltaremos aos passos de nossos pais. Que o Senhor confirme estas experiências em nossas vidas. A graça e o poder de Deus estão à nossa disposição; é uma questão de direcionarmos este poder para as áreas que precisam ser transformadas. Se os cristãos que têm passado problemas em suas vidas tomassem posição de buscar ao Senhor em oração e jejum, até que a graça de Deus e o Seu poder fossem liberados para transformá-los, eles teriam maravilhosos testemunhos.

Podemos dizer, com toda segurança, que não há pecado ou problema que Deus não seja mais forte.

Bispo Rodovalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *