Frente Parlamentar Evangélica

Hoje na Câmara e no Senado, deputados, senadores, pastores e líderes evangélicos começam a agir em defesa dos princípios da família brasileira sob ameaça dos que propõem o novo Código Penal que pode ser aprovado às pressas através do Projeto de Lei do Senado (PLS) 236/2012. E isso tudo em meio a uma campanha eleitoral e ao “recesso branco” do Parlamento, quando há poucos parlamentares presentes em razão da campanha nos municípios.

Após discussão na Câmara dos Deputados, com a presença da liderança evangélica e deputados federais, o grupo irá para o Senado Federal, onde será recebido pelos membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) onde as danosas mudanças na Lei estão tramitando. A reunião no Senado será coordenada pelo Senador Magno Malta, que é membro da Comissão Especial da Reforma do Código Penal. O Senador organizou um grupo de trabalho com os mais renomados juristas cristãos que estão trabalhando diuturnamente para que as absurdas e inaceitáveis propostas sejam derrubadas.

Também estará na reunião um corpo técnico de juristas que esclarecerá aos líderes e assessores presentes todas as dúvidas e riscos que corremos com a Reforma do Código Penal. Além disso, ao senador Pedro Taques, relator do PLS 236/2012, será levada a preocupação da Igreja Evangélica Brasileira.

“Entendemos que estamos diante de um dos maiores desafios que os parlamentares federais que professam a fé cristã e a Igreja Evangélica já enfrentaram no Congresso Nacional. Todas as nossas bandeiras, todas as nossas lutas estão sendo abordadas no Novo Código Penal. Tudo o que há anos conseguimos impedir que fosse aprovado no Legislativo agora se apresenta na reforma do Código Penal como a solução para que se tenha mais segurança e para que se diminua o crime no Brasil, com o objetivo de assim convencer a sociedade a favor das questionáveis propostas”, diz a carta-convite enviada aos líderes e assinada pelos deputados João Campos, Arolde de Oliveira e Roberto de Lucena, todos da Frente Parlamentar Evangélica.

Ainda segundo o comando da Frente, é perigoso deixar que algumas surpresas desagradáveis peguem a todos desprevenidos, a exemplo da imposição do silêncio às igrejas quanto ao tema homossexualidade. “No PLS 236/2012 está explícito que falar da homossexualidade poderá ser considerado até mesmo crime contra a humanidade, um dos mais terríveis. Para os que acham que isso é um absurdo e que uma proposta desta jamais passará, queremos lembrar que este ano um pastor americano, o Rev. Scott Lively, está sendo processado por crime contra a humanidade por apenas ter se manifestado contra a homossexualidade.

Veja o que o Projeto do novo Código Penal propõe:

– a descriminalização do aborto até o terceiro mês de gestação;
– a descriminalização do uso, cultivo e guarda de todos os tipos de drogas;
– a legalização das casas deprostituição; a diminuição da idade para a relação sexual de 14 para 12 anos de idade, o que para nós é legalizar a
pedofilia no Brasil.

A proposta ainda prevê a regulamentação da eutanásia e a criminalização da homofobia de forma mais severa que no PLC 122/2006, passando ela a ser agravante em todo os tipos de crimes (informamos que agora o PLC 122 esta apensado ao Projeto da Reforma do Código Penal). O Projeto da Reforma também propõe o
impedimento da pregação do evangelho aos índios; inibe a luta contra o infanticídio em áreas indígenas e muitas outras situações que nos preocupam como a retirada do crime de ato obsceno.

Documento

Durante a reunião na Câmara os evangélicos vão elaborar um documento, a exemplo do que já foi feito pela Igreja Católica e pela Federação Espírita e outras instituições, para ser entregue ao presidente do Senado.

5 comentários em “Frente Parlamentar Evangélica

  1. e isso ai bispo,temos que denunciar estes ignorantes.

    para que o mal triunfe basta que o bem se cale. nao podems nos calar diante de tanta afronta a o Deus vivo

    abraços bispo.

  2. É isso aí bispão, o Brasil precisa de homens e mulhres valentes como você! Não podemos nos calar diante de tantas injustiças, pessoas que não pensam na integridade fisica e emocional do ser humano. Será que esses “deputados” e “senadores” estão preparados para tal práticas que eles mesmos estão querendo aprovar, acontecer com uma filha deles, começar a se prostituir aos 12, as filhas fazerem abortos ou os filhos usarem drogas na frentes deles? Temos que proteger sim, os principios e direitos familiares. Um dia chegarei ou terei oportunidade de perguntar para eles. 2016 me aguarde. Pr. Carlos Pavão – Sara nossa Terra – São Luís – Ma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *