Implante cerebral permite pessoas paralíticas exercerem movimentos em seus próprios ritmos

A ciência tem evoluído cada vez mais em auxílio do ser humano, para facilitar as limitações diárias e contribuir com o progresso da sociedade. Richard Anderson do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena e seus colegas desenvolveram um implante cerebral capaz de codificar o que alguém quer fazer e permitir que uma pessoa paralisada do pescoço para baixo possa controlar um braço robótico com tranquilidade e em seu próprio ritmo.

O jovem Erik Sorto, que ficou incapaz de mover qualquer de seus membros após um acidente que cortou sua medula espinhal há 12 anos, realizou a experiência e bebeu um copo de cerveja “sozinho”. “Pensamos que isto nos permite decodificar a atividade do cérebro associada com o objetivo geral de um movimento – por exemplo,” Eu quero pegar esse copo ‘, em vez de componentes individuais “, disse Anderson na Conferência NeuroGaming em San Francisco, Califórnia, onde ele apresentou o trabalho neste mês.

“Com os robôs movidos pela mente dos pacientes entramos em um novo momento da história e do desenvolvimento humano. A vida prática se aproxima dos fenômenos Quânticos”, afirma Bispo Robson Rodovalho.

Lesões semelhantes são tratadas com implantes colocados em seu córtex motor – uma área do cérebro responsável pela mecânica do movimento. Mas segundo especialistas, isso não é o ideal, pois acaba por resultar em um atraso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *