O dinheiro tem substituído o envolvimento

Pesquisa realizada nos Estados Unidos diz que 81% da população americana acha que não sabe utilizar o seu dinheiro de forma adequada, mas 100% da população entrevistada afirma que tem controle suficiente para ensinar aos seus filhos sobre dinheiro. As informações são contraditórias. Esses pais usam o poder do dinheiro não para ensinar, mas para controlar os filhos.

O dinheiro, em nossa sociedade, substitui o envolvimento. Pais e maridos dão dinheiro aos filhos e às esposas para que não tenham que conversar com eles. Muitas vezes, o dinheiro tem um significado emocional negativo para nós porque fomos vítimas da má e desigual distribuição dele em nossas famílias; a distribuição não foi feita de maneira equitativa. O dinheiro ou os presentes não foram distribuídos de forma igual, mas pela preferência dada a cada filho.

Como é conveniente dar as coisas rapidamente para manter pessoas as quais não gostamos afastadas, também é conveniente prolongar a negociação das coisas que os que amamos querem, para mantê-los perto de nós.

A maneira que aprendemos com nossa família sobre dinheiro nos influencia hoje: “nossa família é muito humilde” e, a mensagem aqui é “não se atreva a sair dessa condição de humildade”. O filho começa a ganhar dinheiro e a mãe, por medo ou ignorância, faz voto de pobreza.

No hebraico, quando o pai dava a bênção: “Que o senhor te abençoe e te guarde”, não significava abençoar e guardar de si mesmo. “O Senhor te faça prosperar”, no sentido de liberado para prosperar, e “que o Senhor te guarde quando estiver próspero”, pois é um perigo se afastar dos caminhos de Deus.

O dinheiro não deve ficar parado. Nosso dinheiro é feito para circular, produzindo oportunidade para outros trabalharem, abençoando para que eles possam produzir mais, pois se Deus nos deu oportunidade de sermos prósperos precisamos dar oportunidade para que outros prosperem também. Estamos prontos para sermos prósperos? Estamos dispostos a dar algo que possuímos para receber algo que desejamos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *