Quem atirou a primeira pedra?

Há alguns dias o apresentador Jô Soares dedicou uma edição especial de seu programa à presidente Dilma Rousseff. Especialíssima, até, pode-se dizer, porque Jô Soares, que em regra recebe todo os seus convidados no estúdio em que grava o programa, foi à Brasília para entrevistar a presidente.

Com duração de pouco mais de uma hora, ele conduziu a entrevista de forma bastante leve, sem contraditar a presidente – pelo contrário, houve até momentos em que a elogiou. Daí, tão logo a entrevista foi ao ar, o governo usou parte do vídeo para prestigiar a administração Dilma Rousseff. E em muitos pontos, reconheçamos, ação do marketing governista até fantasiou os feitos da presidente.

Bem, mas o ponto central da coluna é muito além disso.

Após a entrevista, milhares de internautas destilaram ódio sobre o apresentador, em comentários de reprovação que inundaram as redes sociais. O assunto chegou a ser um dos mais comentados do Twitter naquele dia.

O ódio deixou sinais no mundo material. No asfalto, em frente ao prédio onde mora o apresentador, picharam uma frase que sugere uma sentença de morte para Jô Soares. Vejam, na foto que reproduzimos, o ódio estendido no chão.

E por que tanto raiva, tanta ódio?

O mais provável é que os revoltados tivessem a expectativa de uma entrevista questionadora, crítica, botando o dedo na ferida do governo, que todos sabemos, no momento, serem os reflexos do ajuste econômico, da volta da inflação, do desemprego, da corrupção que envolve o partido que está no Poder, das promessas da campanha eleitoral que foram esquecidas.

A repulsa que tem se traduzido na queda de popularidade da presidente mudou de alvo, e transferiu-se para o apresentador. Entrevistado após a repercussão negativa da entrevista, Jô Soares disse à Folha de São Paulo que não se arrepende da forma como conduziu a conversa, e declarou-se abertamente como um “anarquista intelectual”, sem pontos políticos a defender enquanto artista.

Discussões sobre o governo atual à parte, me questiono muito sobre como cresce o sentimento de ódio, o desamor, a falta de respeito entre as pessoas. Atenção: não estou aqui avaliando o governo Dilma Rousseff; estou questionando o desrespeito dos cidadão para com o outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *